terça-feira, 29 de junho de 2010

A capivara sexual das mulheres


Um é bem pouco, dois é o mínimo, três é bom, quatro é o limite. Essa foi a conclusão que eu e uma grande amiga chegamos quando tentávamos explicar para a filha dela, de 10 anos, as consequências do passado sexual de uma mulher. Estávamos bebendo na praia, quando a Carol nos ouviu falar sobre um ex-namorado da minha amiga:

- Mamãe, além do Fulano (atual namorado da minha amiga) e do papai, vc namorou quantos?

- Carol, uma mulher sempre namora, no máximo, quatro homens. Não passa disso, ok?

- Puxa, mamãe, mas eu já namorei três.

Eu morri de rir e não pude deixar de me intrometer:

- Fique tranquila, Carol, até os 18 anos não conta.

Ela ficou tão aliviada, que caímos na gargalhada. Tudo não passou de uma piada, claro. Mas passamos a discutir o peso do passado sexual na vida de uma mulher. Pensamos no quanto alguns homens se incomodam com nossa capivara sexual (capivara é um termo usado pela polícia sobre a ficha corrida de um preso).

Ouvi da boca de um amigo que ele "não gostaria de saber que a mulher que ele sai já teve várias relações". Moralismo é pouco para descrever esse pensamento. Pra mim, o que torna uma mulher respeitável não é o currículo sexual dela. Aí, pergunto, mais vale casar com uma virgem, cheia de pudor e insegurança, do que com uma mulher experiente, que viveu os relacionamentos como ela bem quis? Me choca saber que existem homens que se incomodam com a liberdade sexual. Como se a experiência feminina ameaçasse a virilidade deles.

Li, recentemente, que homens de gerações novas, de 20 e tantos anos, consideram que mulheres que têm vários parceiros durante a vida são consideradas galinhas.  Gente que nasceu na década de 80 AINDA diz que mulher que sai com muitos homens é galinha. Isso me choca!

Ao repercutir uma pesquisa feita na Inglaterra _ que dizia que mulheres de até 24 anos já tinham feito sexo com 5,6 homens, em média _ a jornalista Fernanda Colavitti, no blog Sexpedia, recebeu uma porrada de comentários machistas de internautas. Muitos chamavam as ingleses de "vagabundas"! Para os homens leitores do blog dela, mulher que expressa livremente seu desejo sexual é vagabunda. Alguns dos comentários dos machões: "não gosto de pegar resto dos outros", "mulher que teve mais de cinco parceiros não merece respeito".


Acho lamentável o que eu e minha amiga tivemos que dizer para a pequena Carol. Mas achamos, eu e minha amiga, que isso poderia poupá-la de condenações no tribunal do sexo. Incrível como duzentos mil anos depois, a gente ainda tenha essa preocupação.

Todo mundo, homem ou mulher, tem o direito de transar sem culpa, sem medo de julgamento. Basta querer. Assim como sexo não é quantidade, é qualidade, a relação deve ser medida da mesma forma. Se a mulher/ namorada que vc está é maravilhosa na cama e fora dela, que diferença faz saber se ela transou com quatro ou mais caras?

Irma

13 comentários:

  1. Primeiramente coitadinha da Carol! Vou ter que bater um paponho com ela depois!!!! Depois essa coisa numérica é a mais babaca possível! O npumero correto é "N" , e ainda temos o "X" o "Y" e o "Z" caso precisemos!!!!
    Essa coisa de homem preocupado com seu passado sexual/amoroso é MEDO DA CONCORRÊNCIA
    Tenho muito medo de gente assim que quantifica as coisas e é totalmente sem noção.
    A CAPIVARA é minha e ninguém tem absolutamente nada com isso ou nada a ver com quem, ou quantos entram ou saem dela!
    beijocas,
    Mari.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque uma mulher é galinha quando tranza com vários homens em sua vida, mas quando o homem tranza com várias ele só está aproveitando a vida ?
      Isso é totalmente injusto!

      Eliminar
  2. Tb acho que todos temos direitos iguais e vontades iguais!
    Chorei de rir com a conclusão da menininha srsrsrsrrs
    Bjss

    ResponderEliminar
  3. Ah! minha amiga... os homens adoram a liberdade sexual enquanto facilita a assiduidade na cama deles... agora, a liberdade sexual para a "mulher deles", aí a coisa pega. Aí a capirava sexual da pobre pode por tudo a perder. Isso é realmente surrealista em pleno 2010. Enfim, foram séculos dessa mentalidade e só faz uns 50 anos que as coisas "mudaram". Espera-se que as
    novas mulheres criem novos homens e aos poucos (infelizmente) isso vá realmente mudando de forma essencial.
    Você escreve muito bem e é muito agradável ler.
    Queria te contar sobre meu gato. Minina, posso falar? Ele era praticamente um "cachorro". Uma paixão. Ficava doente quando eu tinha que viajar. Ele "conversava comigo" e brincava como se "planejasse" cada passo. Tinha ciúmes de mim e demonstrava isso de uma forma muito engraçada. As pessoas tem impressão errada, equivocada sobre os gatos. Pena que eles vivam tão pouco.
    Beijo, garota. Bom "conversar" com vc.

    ResponderEliminar
  4. Manda beijo pra Carolzinha e diz pra ela ficar tranquila. Apesar de tudo, o mundo que ela vai enfrentar (nesse sentido) e, apesar de ainda não ser o ideal, é bem mais fácil do que era antes.
    Ela parece bem inteligente, foi bem rápida nas contas e na preocupação... rsrsrsrsrs.

    ResponderEliminar
  5. Adorei o termo capiva, eu nao sabia disso.
    Eu tenho uma amiga muculmana que me disse uma frase chocante uma vez. Estavamos em 4 meninas falando disso e algumas poucas disseram que haviam tido outros parceiros antes de casar, ela se chocou e qdo soube que eu tambem me disse"gente isso nao e bom pro marido de vcs, nem pra vcs, gera duvida,confusoes."ahahah , achei e acho ela uma doida, tentei explicar que as comparacoes sao boas, mas vai falar.
    Bem ate a CArol com 10 tá mais aberta pra isso.

    ResponderEliminar
  6. A Carol é muito esperta mesma, vai longe, a guria. E acho que a Mari disse tudo: medo da concorrência.
    Quanto ao ciúme do gato, Lua Nova, acho normal isso acontecer. Os pequeninos se apegam muio a gente. Eu tinha uma cachorra, a Neguinha, que toda vez que via o meu namorado fazia xixi. Ela ficava tão feliz quando ele chegava que eu quase pensei que fosse perder o rapaz, risos.
    Beijos,
    Irma

    ResponderEliminar
  7. Adoreiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii!Bjos

    ResponderEliminar
  8. Podem passar 200 mil anos, sempre haverá gerações moralistas

    ResponderEliminar
  9. Passada. E revoltada. Abaixo o machismo, abaixo o preconceito.

    Abaixo os homens inseguros, que têm medo do nosso passado sexual. Fala sério!!!

    Beijão,

    Bela - A Divorciada

    ResponderEliminar
  10. Não diga alô,
    Diga Oi,
    Porque a Telemar,
    Já Foi.

    Diante do meu olhar,
    Quero nua te ver,
    E como poeta,
    Assim escrever.

    Diante da sua beleza nua,
    Quero em você me inspirar,
    Descrever a sua nudez,
    Que me leve muito a amar.

    Como se fosse a primeira vez,
    Quero o seu coração conquistar,
    Ver crescer essa amizade,
    Que em amor possa se transformar.

    O amor não tem idade,
    Nasce de um olhar,
    No coração da gente,
    Impossível não amar.

    Nasce entre uma amizade,
    Não é possível não desejar,
    Quem com seu sexo nos faz,
    Mais ainda nos entregar.

    Só o amor nos traz a paz,
    O desamor pode uma guerra provocar,
    Quisera desfazer essa guerra,
    Através de uma poesia em paz transformar.

    Do poeta: Paulo de Andrade

    ResponderEliminar
  11. Eu acho que isso está ligado mais com algo maior, tipo quanto mais sexo voce faz mais facil é voce pegar alguma doença. Talvez isso inconscientemente afeta quando o homem descobre que a mulher já se relacionou com outros homens, dai vem as outras coisas conscientes do tipo a mulher não se apega ao seu parceiro, ela tem um poder maior de independência e outros fatores. Todos somos inseguros um pouco ou bastante.

    ResponderEliminar