sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Mulheres são como restaurantes

O diálogo abaixo ocorreu entre uma mulher solteira, linda, bem-sucedida à procura e um homem casado, lindo, bem-sucedido à procura:

- Homens gostam de sair com mulheres desejadas. Faz bem para a gente circular com alguém que os outros querem. Claro, isso dá trabalho, a gente precisa controlar o ciúme, mas faz bem para o ego. Mulheres são como bons restaurantes.

- Como é?

- Simples. Quando vc está com fome, vc sai e encontra dois restaurantes. Um está vazio e outro está cheio de gente. Qual vc escolhe? O que está cheio, claro. Se mais gente quer significa que o lugar deve ser melhor.

- Que maravilha pensar que nós, mulheres, somos restaurantes para vcs.

- Ah, vc me entendeu...

- Entendi que vocês gostam de gozar com o pau alheio. Eu prefiro escolher restaurante pela comida, pelo atendimento e até pelo preço. E isso pode muito bem ser oferecido por um lugar que está vazio à espera de um cliente menos babaca.


Com essa cantada de quinta categoria, o babaca chegou a sonhar que a moça aceitaria ser um bom restaurante para ele frequentar. Dançou! Cá entre nós, acho que ele merece mais um restaurante por quilo, onde ele não tem que pensar no que vai comer, engole comida fria sem poder reclamar, e sai insatisfeito com a certeza de que querer não é poder. Bon appetit!

Irma

11 comentários:

  1. É... Não é a toa que a moça aí é bem sucedida rs!

    ResponderEliminar
  2. Touché to your friend!!!!
    Nem tem que falar nada....
    Nossa que infeliz....
    Gente burra é muito desgostoso....
    Irma, ele não deve comer nem em quilo come no 1,99 da prefeitura!
    beijocas,
    Mari

    ResponderEliminar
  3. Querida, que horror!!!! Sem comentários né? Esse merece morrer de fome, isso sim!!!

    Um cheiro!
    Zoe

    ResponderEliminar
  4. Bom, seguindo essa lógica, o "Esfiha Chic" (bom e velho Grupo Sérgio) está sempre com gente saindo pelo ladrão... Já um Gero, um D.O.M., um Fasano... well, acho que o moço precisa se orientar.

    ResponderEliminar
  5. Tem muito homem tosco por aí.
    Além de casado e estar tentando pular a cerca, ainda escolhe mulher pela aparência e não pelo conteúdo.
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. Foi uma das piores cantadas que eu já ouvi falar,dançou malandro!
    abs
    Jussara

    ResponderEliminar
  7. Essa reforça minha tese de quanto mais inteligente o homem pensa que é a sua cantada, mais babaca e imbecil ele parece....

    Ah, homens...

    Abraços

    ResponderEliminar
  8. Meninas, estou espantado com as reações.

    Ele pode não ter sido romântico, pode não ter sido sensível e doce mas, por certo, ela deu sinais de que ele estava diante de uma mulher como aquela do filme "AMOR SEM ESCALAS" ou seja diante de um "homem de saias".

    Alguém, paquerando um homem casado, pode ter dado sinais de que era liberal o bastante, igual o bastante para que ele se senti-se à vontade, como se estivesse entre amigos.

    Isso pode tê-lo feito relaxar e dizer à moda masculina algo que lhe pareceu o reconhecimento de uma qualidade nela.

    Quantas vezes já ouvi de homens inteligentes, bonitos, interessantes e assediados o seguinte: "Mulheres são como vinho: são bons deitados, no escuro e com uma rolha na boca" ou "Passado da namorada é como cozinha de restaurante: se vc conhecer não vai querer mais comer."

    Esse trato aparentemente rústico e ofensivo é, no mundo masculino, a representação máxima da intimidade e do apreço.

    Homens cumprimentam-se, não raramente, com frase como: "Falae viado", "Vem cá filho da puta", "Chegou o corno" e por aí vai.

    São frases que, fora desse contexto, poderiam ser ofensivas mas, na verdade, demonstram como entre homens o carinho e o apreço pode ser diferente do que se esperaria entre mulheres.

    ResponderEliminar
  9. "sentisse"....eita erro horroso...rsrsrs

    ResponderEliminar
  10. Marcos,

    Ela não deu entrada, não. Conheço a moça. O cara é cafa total mesmo. Pode apostar! Mas adorei as frases finas que vc escreveu, hahaha. Principalmente a do passo de namorada, Deus meu!

    Beijos,
    Irma

    ResponderEliminar